1.4.11

VOGUE BRASIL ABRIL 2011 COM ALINE WEBER

Uma imagem que vale por mil palavras. Na Vogue Brasil, Abril 2011 ( e até aqui tudo rimou) eu fiquei tão feliz, tão emocionada ontem...
Quando recebi as fotos dessas imagens da Vogue, do editorial que foi fotografado em Paris, que tem a calça Dopping by me, com blusa e colete Givenchy, bolsa Marni e sapato Ann Demeulemeester, luxooooo...eu nem sei descrever a felicidade. A calça é linda, num denim bem escuro e o shape incrível.
A Aline Weber é capa e estrela do editorial e também foi a estrela da Campanha Dopping Inverno 2010.
Foi um mega up na vida.
Nessa hora eu lembrei de como minha mão sempre respondia quando alguém perguntava:
- Mãe, tudo bem? Sabendo que ela estava sentindo dor naquele momento, mas ela respondia.
- Hoje estou bem melhor, ontem até que doia...mas hoje não.
Parece uma lembrança que nada tem a ver com a foto? Pra mim ela tem tudo.  Em qualquer situação, o importante é  pensar que hoje, está melhor do que ontem e amanhã será melhor do que hoje...
São os sinais, é preciso saber ler.
Só pra lembrar, alguns bons sinais nos últimos dias. Na semana passada, no dia da morte de Elisabeth Taylor, eu estava na semana de escritora, super dedicada trabalhando no meu segundo livro, que é uma trilogia e até  fiz um post aqui.
Na segunda 22, fazendo correções no livro, decidi acrescentar um capítulo inspirado numa viagem a Puerto Vallarta, e fui dar um google pra ler mais detalhes sobre o lugar, pois quando lá estive, não tinha lido muito a respeito.  Então descobri que ela tornou-se mundialmente conhecida, a partir de 1964, durante as filmagens de A noite de Iguana,  por causa do rumoroso romance entre Richard Burton  que fazia parte do elenco, e Eisabeth Taylor,  que ia visitá-lo durante as filmagens.
Na hora que escrevi, achei super divertido ter acrescentado o capítulo e então encerrei o mesmo e continuei escrevendo. Quando era umas 14 hs, caiu a conexão da internet ( um problema do cabo do prédio, que a TVA demorou 3 dias pra resolver) e então, como estava concentrada no livro, nem pensei em sair e nem TV eu liguei,  pra não perder a inspiração e vontade de escrever e escrever...
No dia seguinte, só fui numa lanhouse perto do meio-dia e quando olhei nas notícias do dia, Elisabeth Taylor tinha falecido naquela madrugada em Los Angels.
Levei um choque e ao mesmo tempo pensei:  
-Uau...quantas vezes na vida isso acontece? É o timing certo onde o involuntário e aparentemente acaso, se tornam sinais.
Aquilo foi um sinal incrível...essa foto agora, foi outro sinal.